domingo, 17 de janeiro de 2016

CRISE ABALA FOLIA, MAS VAI TER CARNAVAL

Suzy Rocha / Tribuna do Norte
Repórter

O país do carnaval passa por uma das maiores crises econômicas dos últimos anos e a festa popular mais celebrada pelos brasileiros pode não acontecer em dezenas de cidades. No Rio Grande do Norte, apesar da crise, algumas prefeituras já confirmaram que vai ter carnaval e com investimentos altos para pagamento de shows musicais, como é o caso do município de Apodi, que deve gastar em torno de R$400 mil, segundo o prefeito do município, Flaviano Monteiro.
Em Macau, a prefeitura diz que este ano vai arcar com a infraestrutura para a festa, mas não será responsável por contratar bandas
Em Macau, a prefeitura diz que este ano vai arcar com
a infraestrutura para a festa, mas não
será responsável por contratar bandas
Já em outras, como Macau, que recebe muitos turistas nesse período do ano para a tradicional brincadeira do “mela-mela”, a prefeitura cortou gastos com atrações musicais, mas devido aos desfiles dos blocos organizados pelos foliões, automaticamente a administração municipal terá que arcar com despesas de estrutura e suporte, como banheiros químicos, gastos com efetivo extra na segurança pública, trânsito e saúde, pagamento de água de prédios públicos, entre outros custos.

Outro fator preocupante para as populações é a questão da escassez de água que afeta muitas cidades do Rio Grande do Norte, e que pode ser agravada com desperdícios que possivelmente ocorrerão nos dias de festas carnavalescas. A crise hídrica é uma realidade vivida não só por moradores de Natal, mas também pelas populações do interior.

Nenhum comentário:

Postar um comentário